Tássia Cruz | Dados para um Debate Democrático em Educação (D3e)

A Tássia Cruz é professora da Escola de Políticas Públicas e Governo da Fundação Getulio Vargas (EPPG/FGV), e apresentará o projeto “Dados para um Debate Democrático em Educação (D3e)” no PUBTechSF@Vale do Silício 2018, que acontecerá no dia 28 de novembro de 2018.
Para participar, inscreva-se aqui: https://pubtechsf-sv-2018.eventbrite.com
Dados para um Debate Democrático em Educação (D3e)
O D3e é um grupo de pesquisadores associados ao Centro Lemann de Educação Brasileira da Universidade de Stanford, cujo objetivo é aproximar o conhecimento técnico e científico aos poderes executivos e legislativos brasileiros. Com este propósito, trabalhamos na elaboração de relatórios que consolidam o aprendizado sobre temas educacionais no Brasil e no mundo. Nossos relatórios são preparados por pesquisadores colaboradores. Além disso, disseminamos o conteúdo produzido entre educadores, gestores públicos, acadêmicos e sociedade civil, a fim de enriquecer o debate educacional. Para mais informações sobre esta iniciativa, acesse nosso site: http://d3e.com.br/. O primeiro relatório que publicamos está disponível no site.
Tássia Cruz é professora da Escola de Políticas Públicas e Governo da Fundação Getulio Vargas em Brasília-DF. Tássia possui PhD em Economia da Educação e mestrado em Economia pela Universidade de Stanford. É graduada em Ciências Econômicas pela PUC-Rio. Tássia foi gerente de projetos na Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) da Presidência da República e consultora do Banco Mundial em Brasília. Trabalhou em parceria com diversas Secretarias de Educação para formar professores e supervisores escolares em métodos de observação em sala de aula e em avaliações de impacto de programas educacionais. É especialista em financiamento da educação e mercado de trabalho de professores no Brasil.

Daniela Ushizima | The Center for Recognition and Inspection of Cells (CRIC) e o Sistema Único de Saúde Brasileiro

Daniela Ushizima é Staff Scientist/Data Scientist/Team Leader do Computational Research Division, Berkeley Lab e Berkeley Institute of Data Science, UC Berkeley. No PUBTechSF@Berkeley, ela vai apresentar o trabalho “The Center for Recognition and Inspection of Cells (CRIC) e o Sistema Único de Saúde Brasileiro”.
Para participar do PUBTechSF@Berkeley no dia 19 de setembro de 2018, inscreva-se aqui: https://pubtechsf-berkeley-2018.eventbrite.com
\
The Center for Recognition and Inspection of Cells (CRIC) e o Sistema Único de Saúde Brasileiro
O câncer do colo do útero é a segunda causa de morte por câncer entre mulheres de 20 a 39 anos, então é óbvia a necessidade de melhorar as taxas de rastreamento nessa faixa etária, além de aumentar a aceitação e acesso à vacinação contra o papilomavírus humano. Cerca de 8.000 mulheres brasileiras morrem a cada ano, onde o câncer do colo do útero é o terceiro tipo de câncer mais comum entre as mulheres em idade de trabalho. Embora esses números sejam assustadores, uma equipe destemida, liderada por quatro mulheres, decidiu investigar e quantificar as imagens do exame de Papanicolau, a fim de melhorar a análise das células dentro do sistema público de saúde. O sonho começou com a constatação de que a detecção precoce de lesões pré-cancerosas de testes de Papanicolau salvou vidas por décadas, mas a quantificação microscópica adequada das propriedades das células cervicais permanece restrita a poucas mulheres. A razão para tais limitações é o protocolo de análise: historicamente, a triagem de uma lâmina de Papanicolau e a busca por padrões celulares anormais dependem da visão dos citopatologistas. Essa dependência da inspeção manual dificulta a capacidade dos programas de saúde pública a atender ao crescimento populacional, particularmente quando se usa o exame de Papanicolaou como exame de saúde do colo do útero. Em uma parceria entre a BIDS, o Berkeley Lab e o Ciência sem Fronteiras (Cnpq), a equipe tem criado vários protótipos de software e artigos científicas abordando suas descobertas. Essa iniciativa também é responsável pela formação de pessoal altamente especializado, somando mais de 20 alunos que participaram do projeto, com 3 deles hospedados pelo BIDS, sendo Daniel Ferreira (doutorando) a mais recente chegada.
Daniela Ushizima is a Staff Scientist at Berkeley Lab. and a Data Scientist at the Berkeley Institute for Data Science at UC Berkeley. Her research focuses on algorithms for computer vision, pattern recognition, and quantitative microscopy, designed to understand data coming from scientific investigations that involve experimental and observational image acquisition. As part of her DOE Early Career Award, Ushizima has applied machine learning to diverse scientific domains reliant on digital pictures, ranging from biomedical micrographies to geological materials and composites, e.g. micro-tomography of materials with applications to aviation. As a co-investigator in Image Analysis/Machine Vision for the Center for Advanced Mathematics for Energy Related Applications (CAMERA), she has worked with professionals from several domains and mentored scientists from multiple countries. Her team latest accomplishment is the development of a computer system to search image collections using a picture, a concept known as content-based image retrieval using neural networks.

Rosana Sanford | Educação bilíngue na primeira infância

O projeto Histórias e Cantigas iniciou em janeiro de 2017 e tem como meta promover a língua portuguesa e difundir a cultura brasileira às crianças que nasceram na baía de SF ou imigraram pra cá do Brasil ou de outro país. Os encontros são direcionados a crianças de 0 a 5 anos de idade, são gratuitos, e acontecem na Grand Ave Public Library, em South San Francisco, às terças-feiras, 10h30.

As bibliotecas “Main” e a “Grand Ave” também dispõem de um acervo em português. Qualquer residente do condado de San Mateo pode emprestar livros.

O projeto é coordenado por serviço voluntário e recebe o apoio da biblioteca pública de South San Francisco.

Rosana Sanford é paulistana, graduada em Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e imigrou para os EUA em 2001. Rosana lecionou português e inglês como línguas estrangeiras em New Jersey e New York City, e, durante 5 anos, foi professora assistente em uma escola bilíngue francesa de San Francisco. Hoje, ela se dedica à sua família e vive em South San Francisco com seu esposo e duas filhas.

Valdira Ueno | Dê aos seus filhos o melhor presente: a Língua Portuguesa

A professora Valdira Bueno apresentará no PUBTechSF@Berkeley 2017 o projeto do IBEC   – sua idealização e fundação, sua função social e impacto na comunidade.

O PUBTechSF@Berkeley 2017 acontecerá no dia 13 de setembro na UC Berkeley, e as inscrições já estão abertas aqui.


Valdira Ueno é professora e pedagoga formada pela Universidade Santa Úrsula (Rio de Janeiro) e Centro Universitário UNISEB (Ribeirão Preto), cofundadora, diretora geral e coordenadora pedagógica do IBEC, Instituto Brasil de Educação e Cultura. Com mais de trinta anos de experiência no ensino de línguas e coordenação pedagógica, usa seus conhecimentos na tarefa de despertar o interesse e o amor de seus alunos para a língua portuguesa e a cultura brasileira. Sob sua direção, as atividades do IBEC visam ao letramento, em aulas cuidadosamente planejadas para motivá-los mais e mais enquanto adquirem proficiência em português. Em suas próprias palavras: “Trabalhamos com as famílias para que essas crianças aprofundem seus conhecimentos linguísticos e valorizem igualmente tanto a cultura em que estão inseridos quanto a cultura brasileira. Isso os ajudará em todas as áreas das suas vidas, inclusive a ter mais tolerância com o outro. ”

Pedro Dantas | Se você construir, eles virão? Crowdfunding para educação pública no Brasil.

Se você construir, eles virão? Crowdfunding para educação pública no Brasil.

SomosProfessores.org, uma plataforma de crowdfunding para professores da rede pública, nasceu de duas inquietações: A primeira dizia respeito à falta de recursos, públicos ou privados, destinados exclusivamente ao apoio de professores inovadores. A segunda ao pouco reconhecimento social do trabalho dos melhores professores da rede pública de ensino. Hoje, após mais de 2 anos de experimentação, muito foi aprendido. É um prazer convidar todos da comunidade PUBTechSF para ouvir um pouco sobre os desafios enfrentados pela nossa equipe nessa período, e também nos ajudar a refletir sobre a sustentabilidade do nosso modelo.
Para conhecer mais sobre o projeto SomosProfessores.org, participe do PUBTechSF@Stanford 2017.
Pedro é licenciado em história pela UFPE e mestre em educação por Stanford. Em 2014 fundou a SomosProfessores.org, uma plataforma de crowdfunding para professores da rede pública, e em 2016 foi contratado como Research Associate do Lemann Center de Stanford, onde atualmente trabalha avaliando políticas públicas em parceria com os estados de Pernambuco e do Ceará.

Gustavo Torres | Ciência da Computação ensinada por brasileiros para brasileiros, direto de Stanford

cs106brDois brasileiros vão estudar em Stanford, uma das melhores faculdades do mundo, e lá descobrem o poder da Ciência da Computação (Computer Science ou CS em inglês). Maravilhados com as aulas, decidem que vão levar o que aprendem sobre CS em Stanford para o Brasil. Daí nasceu o CS 106BR. Conheça este projeto apresentado pelo Gustavo Torres no PUBTechSF@SV 2016!

Inscreva-se aqui: https://pubtechsf-sv-2016.eventbrite.com

 

 

gustavo-torres-foto

Gustavo cresceu no Capão Redondo, periferia de São Paulo onde aprendeu a ser otimista, escutar rap e acordar às 5h para estudar. É bolsista do Ismart, instituição que abriu seus horizontes e lhe deu muitas oportunidades. Estuda Ciência da Computação em Stanford, e pretende desenvolver tecnologias que ajudem pessoas a criarem mais mudança com o potencial que possuem.

Samantha Barthelemy | PUBTechSF @Berkeley 2016

A Samantha Barthelemy fará a apresentação do trabalho de impacto social “Educação e prevenção da violência no Rio”, em que vai compartilhar sua experiência recente junto à Secretaria de Estado de Segurança e a construção da Plataforma Juventude Segura (2016).

O PUBTechSF@Berkeley 2016 será no dia 22 de setembro, no Berkeley Institute for Data Science (BIDS).

Para reservar seu lugar, inscreva-se aqui!


Resumo:

A iniciativa tem como objetivo “contribuir para a construção e consolidação de politicas públicas de segurança que garantam os direitos de crianças, adolescentes e jovens, promovendo a mobilização e articulação de diferentes segmentos governamentais e da sociedade”.

Estamos realizando uma série de diálogos com jovens de diferentes favelas do Rio de Janeiro, para tratar diretamente dos seguintes temas: 1. Juventude e Políticas Intersetoriais: Esporte, Cultura e Educação; 2. Juventude e Letalidade/Morte Violenta; 3. Juventude e Política de Drogas; 4. Segurança e Sistema de Justiça; 5. Juventude e Armas e; 6. Juventude e Abordagem Policial.

A expectativa é que a Plataforma possa ser o primeiro passo para a construção de uma política púbica de segurança mais eficaz, alinhada às estratégias de prevenção em seus diferentes níveis, tendo como público alvo crianças, adolescentes e jovens.

samantha-barthelemy-bio-photo-2

Após sete anos estudando e trabalhando entre os Estados Unidos e a Europa, Samantha retornou ao Brasil para integrar a gestão do Programa Escolas do Amanhã, iniciativa intersetorial da Prefeitura do Rio de Janeiro para 100.000 alunos das áreas mais vulneráveis da cidade. Entre 2011 e 2014, Samantha liderou ações nas áreas de mediação, resolução e prevenção de conflito, aprendizagem socioemocional e integração escola-comunidade. Também co-desenvolveu o projeto de cooperação internacional “Aluno Presente”, para a busca ativa de mais de 20.000 crianças e adolescentes fora da escola. 

De 2014 a 2015, Samantha dirigiu as áreas de Relações Institucionais e Segurança Cidadã do Instituto Municipal Pereira Passos (IPP-Rio). Neste período, desenvolveu parcerias com os setores público e privado e organismos internacionais com foco no desenvolvimento socioeconômico dos territórios pacificados do Rio de Janeiro. Em seguida, Samantha desenvolveu diversos trabalhos junto à Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, com foco em políticas para a juventude, a prevenção da violência e a promoção da segurança cidadã. Samantha é mestre em Segurança Internacional, Desenvolvimento e Advocacy pela Columbia University (SIPA) e pelo Institut des Sciences Politiques de Paris (Sciences Po, Paris). 

Projeto Contadores de Estórias: cultura e diversão para as crianças brasileiras da Bay Area

DSC_0556O Projeto Contadores de Estórias é um programa comunitário criado em 2003. O objetivo do Contadores é dar às crianças de famílias brasileiras residentes na Bay Area a chance de vivenciar a cultura brasileira e a aprender e praticar a língua portuguesa.

IMG_4880Os eventos gratuitos do Projeto Contadores duram 2 horas, e são repletos de brincadeiras, leitura de histórias, atividades de arte, música e dança para um público formado por crianças de 3 a 8 anos de idade. Os eventos do Contadores são planejados e executados por voluntários, membros da comunidade brasileira ativos em iniciativas culturais e sociais em San Francisco e nos EUA.

 

TDutraeMello

Tatiana Dutra e Mello obteve seu Mestrado em Educação na San Francisco State University (SFSU) e atualmente é Professora Adjunta no Departamento de Modern and Classical Languages da University of San Francisco (USF), onde leciona português como língua estrangeira.

Tatiana também trabalha como professora de português na StreetSmartBrazil, empresa de ensino de português online, e é coordenadora do Projeto Contadores de Estórias. Tatiana tem interesses nas áreas de: educação bilíngue, novas técnicas de ensino de português como língua de herança,  ensino à distância com a utilização de novas mídias e estudos sobre a diáspora brasileira.

Projeto Realidade Aumentada: enriquecendo a experiência real com a virtual no museu

A base conceitual desta organização é a utilização da Realidade Aumentada para promover simulações realistas em locais de Patrimônio Cultural e museus históricos nos Estados Unidos e Brasil. Um número limitado de centros de pesquisa em todo o mundo tem dedicado tempo e recursos para a investigação deste campo fascinante. Este é o início de uma era em que a viagem no tempo, através de simulações de aprendizagem dramatizadas e aumentadas, se tornará tão comum como telefones inteligentes. Projetos como este já foram promovidos por instituições de investigação europeias em lugares como Pompeia, na Itália e vários museus na Holanda. No entanto, o trabalho desta natureza ainda tem que se tornar popular enriquecendo a aprendizagem em museus e outros locais de educação nos EUA.

 

 

Monica Sena-Boon

 

Em maio de 2013 Mônica Sena-Boon defendeu sua tese de doutorado em Tecnologia Educacional, na UH Manoa, sobre o tema da melhoria de seu próprio curso em Animação 3D (Maya) com uma estratégia de ciências da computação chamada Pair Programming. Ao mesmo tempo, ela desenvolveu um estudo piloto em Realidade Aumentada no planetário do Bishop Museum para simular a primeira viagem náutica da polinésia para o Havaí com a utilização do aplicativo móvel Star Walk. Ela já trabalhou para a indústria do entretenimento em Los Angeles por muitos anos: na Disney Feature Animation em efeitos especiais em 2D e 3D, para os filmes “O Corcunda de Notre Dame”, “Hércules” e “Tarzan”, para o diretor Steve Barron como a supervisora de animação de um vídeo da Natalie Cole, para Gene Young Effects como operadora de câmera de animação (Motion Control Camera) para o longa-metragem “Homem Digital” e “Milk”, “Apertem os cintos”, “BMW” e um “Budweiser” Super Bowl comercial. A diversidade de experiências de Mônica a motiva para usar uma combinação da criatividade encontrada na arte e animação com a tecnologia para chegar a novas formas de melhorar a experiência de aprendizagem. Mônica também ensinou no Sistema de Universidades do Havaí por três anos.

PUBTechSF@Berkeley | 17 de junho de 2015

É hoje, dia 17 de junho, a terceira edição do PUBTechSF  no 106 Stanley Hall na UC Berkeley!

Para quem não puder participar pessoalmente do PUBTech@Berkeley, a partir das 6:30pm de hoje (22h30 no Brasil) teremos transmissão ao vivo do evento neste link: http://www.youtube.com/watch?v=SbHGBtKey3E

O PUBTechSF reúne brasileiros tanto da área acadêmica quanto da indústria, sejam cientistas, empreendedores e/ou estudantes com interesse em ciência, tecnologia, educação e cultura na região da Baía de São Francisco.

Esse meetup inclui seminários com conteúdo técnico/científico multidisciplinar apresentados por membros da comunidade brasileira e oportunidades para conhecer e se conectar com a comunidade.

Reserve já seu lugar em: https://pubtechsf-berkeley.eventbrite.com

Palestrantes convidados

Flavio Feferman, UC Berkeley
Trazendo as melhores práticas de treinamento em empreendedorismo de Berkeley para o Brasil

Robson Capasso, Stanford
Health Innovation Brazil: Por quê?

Pitch em impacto social

Monica Sena-Boon
Realidade Aumentada: enriquecendo a experiência real com a virtual no museu

PUBTechSF @Berkeley – Informações

Quando: 17 de junho de 2015, 6-9 pm

Onde:  106 Stanley Hall, UC Berkeley

Audiência: Pesquisadores, Universitários, Cientistas e Profissionais Brasileiros na região de SF

Apoio: BrasArte, Visiting Scholar and Postdoctoral Affairs Program @UC Berkeley, Law Office Of Jose F. Vergara, Santini Tours & Tropical Travels

 

FAQs

Como chegar?

– Conecte-se ao grupo no Facebook para encontrar carona: https://www.facebook.com/groups/PUBTechSF/

– Link para o Stanley Hall (Google Maps): aqui

Onde estacionar?

Uma opção bem próxima ao Stanley Hall é o Stadium Parking, que fica bem próximo ao East Gate e do Greek Theater. $3/hora

https://www.google.com/maps/place/Maxwell+Garage/@37.87258,-122.253365,17z/data=!3m1!4b1!4m2!3m1!1s0x0:0xaef5e9e628aa80ac

Como apoiar as reuniões do PUBTechSF?

Os eventos do PUBTechSF são gratuitos.

Uma contribuição voluntária será bem vinda durante o evento para cobrir os custos de organização.