Projeto Ciência na Escola

O projeto Ciência na Escola permite que alunos de escolas públicas brasileiras entrem em contato com pesquisadores altamente qualificados de instituições de ensino e pesquisa internacionais, para um bate-papo semanal sobre ciência. O contato é virtual através de video-conferência e os temas são escolhidos pelos alunos em colaboração com o(a) professor(a) responsável pela turma.

O(a) pesquisador(a) apresenta o tema e responde a perguntas e curiosidades. Além deste contato, os alunos também realizam experimentos supervisionados pelo(a) professor(a) da escola onde estudam. O programa cria um vínculo entre os alunos e pesquisadores(as) de outros países e ajuda a desmistificar e a humanizar a figura do cientista. Ao estimular a curiosidade e o pensamento científico, buscamos despertar nos alunos o interesse pelo conhecimento e desejo de inovação, aumentando as suas chances de sucesso e transformação social.

ciência na escola

Como surgiu

O projeto Ciência na Escola nasceu em uma das reuniões do PUB-SF, da busca por meios de se contribuir para um Brasil melhor. O projeto iniciou-se a partir do esforço do cientista Jair Siqueira-Neto, então na UCSF, que se conectou com uma escola pública em sua terra natal, Goiânia, para falar com os alunos sobre temas científicos que os alunos achavam interessantes, mas que muitas vezes não eram abordados no currículo. Graças à abertura da diretoria da escola e aos esforços das professoras Noelma Freitas de ciências e Verônica Emidio de informática, o projeto se tornou realidade e formou-se o primeiro grupo de alunos a participar do projeto Ciência na Escola.

O projeto foi destacado em matéria no jornal local Tribuna do Planalto e recebeu um prêmio na Mostra de Ciência do Estado de Goiás em 2014, mas foi depois que o Jair apresentou o projeto no pitch em impacto social na reunião do PUBTechSF que o efeito se multiplicou.  A apresentação fez com que a ideia encontrasse novos protagonistas – tanto pesquisadores brasileiros como outras escolas públicas em várias cidades do Brasil. Atualmente estamos desenvolvendo um programa piloto de expansão em uma escola no Rio de Janeiro e outros estão a caminho. Além disso, um grupo de estudantes da UCSD vinculados ao BRASA tem colaborado com a organização estrutural e administrativa do projeto.

Para quem se interessar no projeto, pode entrar em contato direto com o Jair: Jair.CienciaNaEscola@gmail.com

JairJair Siqueira-Neto é o mais jovem docente e principal investigador (PI) da Skaggs Faculdade de Farmácia e Ciências Farmacêuticas da UCSD. Biólogo graduado na UNICAMP, fez seu doutorado caracterizando proteínas associadas aos telômeros de Leishmania sob orientação da Dr. Maria Isabel Cano no programa de Genética e Biologia Molecular. Jair realizou o seu pós-doutorado no Institut Pasteur Korea (IPK), em Seoul , onde desenvolveu os primeiros ensaios em larga escala para teste de fármacos contra leishmaniose. Em 2013 se tornou diretor do Centro de Descobertas e Inovações para Doenças Parasitárias da UCSF, California, e em 2014 foi contratado como professor da UCSD. Ao se estabelecer em São Francisco, se juntou a outros brasileiros para fundar o Grupo de Pesquisadores Brasileiros da Bay Area, que finalmente evoluiu para ser hoje o PUBTechSF!

Lea Grinberg | Meetup inaugural do PUBTechSF

O título do seminário da Profa. Lea Grinberg foi “Integrando novas e antigas tecnologias para desvendar a doença de Alzheimer“, no encontro inaugural do PUBTechSF no Consulado do Brasil em SF.

Lea Grinberg is a neuropathologist specializing in brain aging and  associated disorders. She received her MD and PhD degrees in São Paulo, Brazil. In 2003, along with colleagues from several disciplines, she founded a brain bank in São Paulo, Brazil, which has developed into an extremely prolific and highly regarded institution. Her PhD work was focused in the neuropathology of frontotemporal lobar degeneration (FTLD-TDP). From 2007 to 2009, Dr. Grinberg acquired expertise in neuroanatomy and in the use of state-of-the-art methods for tridimensional brain reconstruction at the University of Würzburg, Germany. This knowledge is being utilized in several projects, including an NIH funded study in which the overarching goal is to provide an integrated picture of brainstem vulnerability in Alzheimer Disease and FTLD-TDP and to incorporate this understanding into their etiopathogenesis, testing the hypothesis that selected brainstem nuclei are interdependently and consistently involved in very early stages of AD and FTLD-TDP. Currently, Dr. Grinberg is an Assistant Professor at the UCSF Memory and Aging Center. In 2009, she was the recipient of the UNESCO-L’Oréal Award “For Women in Science” and in 2010 of the John Douglas French Alzheimer Foundation “Distinguished Research Scholar Award.” She is also the chairwoman of the HUPO Brain Proteome Project since 2013. Image courtesy of the Alzheimers Association.

Veja artigo com referência ao trabalho da Profa. Lea Grinberg no NYT:

Brain Trauma Extends Reach Into Soccer – Researchers Find Bellini, Star for Brazil, Had Brain Disease C.T.E.

Livia Schiavinato Eberlin | PUBTechSF @ Stanford

Livia Schiavinato Eberlin será uma das palestrantes convidadas no PUBTechSF@Stanford!

A segunda edição do PUBTechSF será no dia 02 de abril, em Stanford.

Para reservar seu lugar, inscreva-se aqui!

viewImage

Livia Schiavinato Eberlin se formou em Química pela UNICAMP e fez o seu Doutorado na Universidade de Purdue, sob a orientação do Prof. R. Graham Cooks. Ela iniciou o seu pós-doutorado em Stanford em 2012, no laboratório do Prof. Richard N. Zare. Sua tese foi selecionada como a melhor tese em Química dos EUA em 2012, e em reconhecimento Livia recebeu o prêmio “Nobel Laureate Signature Award”. Em 2014, Livia também foi selecionada para receber a L’Oreal USA for Women in Science Fellowship, e em 2015 foi listada como uma das “30 under 30” pesquisadoras em “healthcare” da revista Forbes.

Assista à palestra da Livia no canal do PUBTechSF no YouTube:  “Nova tecnologia de imageamento molecular para diagnóstico de câncer durante cirurgia”.

Tratamento cirúrgico é a principal terapia para os tumores sólidos, incluindo câncer de cérebro, próstata, pâncreas, estômago, e outros. Remoção completa do tecido canceroso durante cirurgia oferece o melhor prognóstico e possibilidade de sobrevivência para a maioria dos pacientes com tumores sólidos. Entretanto, uma grande dificuldade durante o processo cirúrgico e que define o succeso da cirurgia é a avaliação das margens do tecido a fim de que se garanta a remoção total do tecido canceroso. Esse processo, que é feito por um patologista durante o decorrer da cirurgia pode demorar até uma hora, e pode ser subjetivo devido aos artefatos na morfologia das células de câncer que ocorrem durante o processamento do tecido durante a cirurgia.

Durante o meu doutorado, eu desenvolvi uma tecnologia de imageamento baseada na técnica de espectrometria de massas, por meio da qual análise molecular de tecido canceroso humano é feita diretamente na amostra, em questão de segundos. Esse método químico permite que um diagnóstico seja obtido rapidamente e com alta precisão durante a cirurgia. Durante meu pós-doutorado, em parceria com estatísticos de Stanford, nós desenvolvemos algoritmos para a construção de modelos estatísticos permitindo classificação rápida e automática dos perfis moleculares. A tecnologia está atuamente sendo testada em vários hospitais nos EUA e acredito que no futuro próximo vá melhorar a forma pela qual câncer é diagnosticado e tratado no meio clínico.

 

https://profiles.stanford.edu/livia-schiavinato-eberlin

Ivan Paulino Lima | PUBTechSF @ Stanford

Ivan G. Paulino Lima é um dos palestrantes convidados do PUBTechSF@Stanford!

A segunda edição do PUBTechSF será no dia 02 de abril, em Stanford.

Para reservar seu lugar, inscreva-se aqui!

Foto Ivan Mojave_0

Ivan Lima é o primeiro biólogo brasileiro, formado no Brasil, a atuar na NASA. Desenvolve sua pesquisa de Pós-Doutorado no Centro de Pesquisa Ames, em Moffett Field (CA) com bolsa NASA Postdoctoral Program da Oak Ridge Associated Universities (NPP-ORAU). Graduado em ciências biológicas (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), obteve mestrado em genética e biologia molecular pela UEL com grau distinção, e doutorado em biofísica pelo Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, com estágio sanduíche na Open University (Grã-Bretanha). Ivan foi professor colaborador na UEL e participou de documentário científico produzido pela emissora japonesa NHK sobre exploração espacial e terraformação de Marte.

Assista à palestra do Ivan no encontro do PUBTechSF@Stanford: “Organismos extremófilos, biologia sintética e a exploração espacial”.

A descoberta de organismos adaptados a condições ambientais extremas, ou capazes de tolerar essas condições, tem aumentado a cada dia nossa compreensão sobre os limites da vida. Esse conhecimento naturalmente expande os locais fora da terra onde a vida pode existir. Atualmente as agências espaciais concentram esforços no desenvolvimento de missões com o intuito de detectar sinais de vida em outros locais do sistema solar e em exoplanetas. Paralelamente, os planos da NASA de enviar uma missão tripulada a Marte até a década de 2030 parecem cada vez mais reais. A biologia sintética, um empreendimento que visa à construção de sistemas e componentes biológicos que não existem na natureza, no sentido de solucionar problemas emergentes da indústria e da academia, deve exercer um papel crítico durante as missões interplanetárias tripuladas. O objetivo desta comunicação oral é apresentar uma breve introdução sobre esses 3 tópicos, mostrando dados recentes da minha pesquisa sobre micro-organismos resistentes à radiação no Centro de Pesquisas Ames da NASA.

https://earthscience.arc.nasa.gov/person/Ivan_G_Paulino_Lima

Veja aqui uma matéria sobre o trabalho do Ivan, publicado no dia 16/03/15 no periódico PNAS: http://mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br/2015/03/17/o-catalogo-da-vida-extraterrestre/

PUBTechSF@Stanford | 2 de abril de 2015, 6-9PM

A segunda edição do PUBTechSF já está confirmada para o dia 2 de abril no Center for Educational Research At Stanford (CERAS).

O PUBTechSF reúne brasileiros tanto da área acadêmica quanto da indústria, sejam cientistas, empreendedores e/ou estudantes com interesse em ciência, tecnologia, educação e cultura na região da Baía de São Francisco.

Esse meetup inclui seminários com conteúdo técnico/científico multidisciplinar apresentados por membros e oportunidades para conhecer e se conectar com a comunidade.

Reserve já seu lugar em: https://pubtechsf.eventbrite.com

Palestrantes convidados

Livia S. Eberlin, Stanford
Nova tecnologia de imageamento molecular para diagnóstico de câncer durante cirugia

Ivan Paulino de Lima, NASA Ames Research Center
Organismos extremófilos, biologia sintética e a exploração espacial

Pitch em impacto social

Vinicius Duncan, Thiago Melo, Jonas de Castro
UniOwl – The place to find college roommates – Projeto empreendedor por estudantes brasileiros

 

PUBTechSF @Stanford – Informações

Quando: 2 de abril de 2015, 6-9 pm

Onde:  Center for Educational Research At Stanford – CERAS101 The Learning Hall

     520 Galvez Mall, Stanford, CA 94305

Como chegar: https://ed.stanford.edu/about/maps-directions

Audiência: Pesquisadores, Universitários, Cientistas e Profissionais Brasileiros na região de SF

Apoio: Lemann Center for Education Entrepreneurship and Innovation in Brazil, Stanford

 

PUB no Pub

A reunião inaugural foi um grande sucesso, com mais de 80 participantes e muitas boas ideias combinadas com ação concreta!

Agora está na hora de marcar o seu calendário para a reunião do PUBTechSF em Stanford!

Primeiro teremos o PUB no Pub,  uma reunião informal, antecedendo o encontro geral, para saber mais sobre o PUB, encontrar a comunidade do PUBTechSF e/ou participar da organização de reuniões futuras.

Participe!

Quando? – 12 de Março 2015, 6.30 PM

Onde? – No Dutch Goose, 3567 Alameda De Las Pulgas, Menlo Park

Quer participar? – Responda o nosso RSVP para podermos reservar uma mesa para todos!

Em breve teremos mais notícias sobre o Encontro Geral, que ocorrerá em Abril em Stanford!